Meio Ambiente em Itapevi


Nos dias atuais, sem dúvida, a consciência ambiental é muito maior do que tempos atrás. Mas ainda é pouco. Muito pouco. A cidade de Itapevi sofre com diversos tipos de intervenções contra a vegetação e os corpos d’água. Construções comerciais erguem-se, muitas vezes, à revelia da legislação ambiental. A ganância em aproveitar 100% do terreno e a nenhuma importância com as conseqüências da supressão de vegetação, em especial em área de preservação permanente, de curso d’água e de topo de morro, faz com que os empresários construam absolutamente sem respeito às leis. O esgoto da cidade, na maior parte das vezes, é coletado e despejado pela própria empresa de saneamento nos cursos d’água da cidade. Ou então é lançado a céu aberto ou diretamente nos córregos pelos próprios moradores. Uma parcela ínfima de esgoto é tratado em Itapevi.

Mas esta cidade também sofre com as pequenas atitudes. Proprietários de lotes constroem mais do que poderiam em seus imóveis e invadem área de preservação permanente. Entulhos são lançados a todo momento nas ruas ou em terrenos baldios. Pássaros silvestres, muitos ameaçados de extinção, são mantidos em cativeiro e comercializados sem prévia autorização do IBAMA.

Há, portanto, muito o que ser feito. Todos devem se conscientizar de suas responsabilidades com o meio ambiente. Aliás, meio ambiente não se reduz à flora, à fauna, ao solo, ao ar e à água. Este é o meio ambiente natural. Composto de tudo aquilo que independe da conduta do homem para existir. As pichações e a propaganda sem controle por meio de placas e cartazes, por exemplo, prejudicam o meio ambiente artificial, que é considerado tudo aquilo que provém de criação do homem, como as construções – casa, prédios etc.

Confira os próximos posts para saber o que é área de preservação permanente, o que pode ou não ser feito na área e quais as consequências da intervenção.

Anúncios
Esse post foi publicado em Consciência Ambiental. Bookmark o link permanente.